Foto/Credito: Lucy Nicholson – Reuters

As incursões em busca de indocumentados e, segundo a administração Trump, com registros criminais, começou em Nova York, no sábado, dia 13 de Julho, e se estende em mais nove cidades, totalizando dez. Muitas destas são consideradas cidades “santuários” e defendem, de certa forma, os direitos dos imigrantes indocumentados, como por exemplo, Nova York, Los Angeles, São Francisco, Miami, Chicago e Houston. Outras cidades são Atlanta, Baltimore, Denver e Nova Orleans.

Houve vários protestos durante a sexta e sábado, 12 e 13 de julho (2019), em muitas dessas cidades. Defensores dos direitos dos imigrantes prometeram proteger os moradores indocumentados que dizem estar sendo vítimas da administração Trump por razões políticas. Muitos deles dizem ter fugido da violência em seus países como Guatemala, Honduras e El Salvador e enfrentam possíveis danos se forem enviados de volta. Por outro lado, Ken Cuccinelli, diretor interino dos Serviços de Cidadania e Imigração dos EUA, afirmou que as incursões se alinharam com a prioridade do ICE de remover ilegais com registro criminal nos Estados Unidos.

“Essa ação covarde apenas motiva a base política republicana e particularmente pró-Trump e nada mais do que isso”, dizem lideranças de Direitos Civis e Humanos. Funcionários de algumas dessas cidades mencionadas acima ofereceram ajuda legal a qualquer imigrante que precise. Em Nova York, o procurador distrital de Manhattan, Cy Vance, incentivou os nova-iorquinos ilegais a usarem recursos legais gratuitos disponíveis durante a semana das incursões prometidas pelo governo Trump. A prefeita London Breed e outras autoridades de San Francisco ofereceram ajuda, inclusive por meio de uma linha telefônica para denunciar ataques de ICE. A prefeita Lori Lightfoot, em Chicago, aumentou o financiamento para um fundo de defesa legal para imigrantes.

Em Los Angeles, um jornalista de origem sul-americana e com dupla cidadania – que não quis que seu nome fosse revelado – disse que durante a semana de incursões anunciada pelo ICE passaria a andar com o seu passaporte americano para evitar ser “confundido” por ter estereótipo latino. Naturalizado nos anos 2000, o jornalista disse que histórias recentes de cidadãos erroneamente detidos pelo ICE o fizeram pensar que ele poderia ser erroneamente atingido.

Em Nova York as incursões começaram no sábado, dia 13 de julho, em dois bairros da cidade. Os agentes do ICE foram a residências no bairro de Harlem, em Manhattan, e no bairro de Sunset Park, no Brooklyn. Os agentes foram rejeitados por pessoas nas residências porque eles não tinham mandados, mas o ICE ficou de retornar no domingo, 14 de julho ou o mais rápido possível. As tentativas em Nova York e outras cidades acontecem quando autoridades municipais democratas e ativistas comunitários nos Estados Unidos se mobilizaram em defesa dos imigrantes ilegais.

Foto/Credito: KMEX Los Angeles

Em Los Angeles, sentimos as ruas com muito menos ambulantes, por eles serem, em sua grande maioria, latinos indocumentados, ante o anúncio do governo Trump a respeito das incursões do ICE durante a terceira semana de julho (2019). As operações anunciadas deixaram ruas, igrejas, mercados, praças e parques com muito menos pessoas durante o fim de semana (13 e 14 de julho) na “cidade os anjos”. Embora as prisões anunciadas não tenham sido realizadas, os líderes comunitários insistem que os indocumentados devem estar preparados, em vez de assustados.

Com a administração Trump “fechando o cerco” contra imigrantes no país, vale à pena lembrar aos nossos leitores a importância de organizações que lutam pelos direitos dos imigrantes na Califórnia. Conheça algumas destas instituições clicando aqui.

Leia uma lista (em inglês) com outras organizações de apoio a imigrantes e de direitos humanos. Leia a lista California Rapid Response Network Hotlines.

Facebook Comments