Curicica badboysSeguindo protocolos de segurança devido à pandemia de covid-19 – que o Brasil enfrenta a segunda onda desde meados de fevereiro deste ano -, ex-atletas de basquete se reuniram nas redondezas de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, para voltar às quadras e provar a importância do esporte no fortalecimento da imunidade contra doenças.

Pelo whatsapp, os “Curicica Badboys” marcaram o retorno ao esporte que, assim como outras modalidades, estavam longe de campeonatos e quaisquer competições que pudessem provocar aglomerações.

Composto de profissionais de várias áreas de atuação que jogaram basquete profissionalmente no passado, os “Curicica Badboys” tentaram manter a forma durante a pandemia treinando em quadras particulares, como o mínimo de pessoas possível. O importante era manter a atividade física em dia.

O fato de os jogadores manterem a atividade física em dia contribuiu para a saúde do corpo como um todo e na resposta do organismo a uma possível infecção por covid-19: inúmeros estudos no mundo inteiro mostraram que a prática de atividade física é um dos principais fatores para proteger as pessoas de desenvolverem a forma grave da doença que já matou mais de 525 mil pessoas só no Brasil.

O médico e jogador Rubens Martinelli

Rubens Martinelli, Médico do Esporte e atuante no enfrentamento de paciente graves com Covid-19 no CTI da UFRJ e no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, é um dos membros do grupo de jogadores e um dos destaques do time que o desaposentou do esporte após 14 anos de inatividade. O médico-atleta revelou “o esporte é a melhor prevenção para diversas doenças e não poderia ser diferente com a covid-19. Nós nos organizamos no início de uma forma bastante sistemática e só paramos mesmo durante os decretos que exigiam isolamento total”.

O médico complementou “ficou notório logo no início da pandemia que a maioria dos casos graves de covid-19 acontecia em pacientes com doenças relacionadas ao mal condicionamento físico com exceção de raros casos; mais tarde diversas publicações confirmaram essa teoria que nós já sabíamos”.

A prática do basquete deu tão certo que alguns dos seus membros acabaram disputando profissionalmente representando o Clube Desportivo Atitude no Campeonato Estadual de Basquete e, posteriormente, levaram o terceiro lugar do campeonato Cariocão sob a chancela da FBERJ (Federação de Basquete do Estado do Rio de Janeiro).

Com o sucesso dos treinos e vitórias, os jogadores participaram de alguns jogos na Arena Carioca 3 assim que a Prefeitura do Município do Rio de Janeiro flexibilizou as atividades oficialmente. Hoje os “Curicica Badboys” já são conhecidos no meio do esporte e com um grande feito em meio à pandemia: nenhum dos seus mais de 70 membros manifestaram a forma grave do covid-19 desde o início dos treinos, em abril de 2020.

Facebook Comments