Por Laís Oliveira

black friday loja extraA chamada Black Friday (sexta-feira negra, em tradução livre) é uma tradição nos Estados Unidos há muitos anos e ocorre no dia seguinte ao feriado de “Thanksgiving” (Ação de Graças) estimulando o comércio a vender mais na prévia do Natal.

No país, muitas lojas chegam a abrir na noite de quinta, mas a maioria abre mesmo bem cedo na sexta-feira fechando apenas tarde da noite. Algumas lojas aproveitam o embalo e deixam as mega promoções se estenderem até o domingo. No consumismo desenfreado e descuido de muitos, no entanto, pode se encontrar a oportunidade e festa de outros, os com más intenções. Então, no fim de semana do Black Friday em particular, é importante se planejar para enfrentar longas filas e disputar produtos, mas, também, de ficar atento e driblar possíveis roubos.

Diante da loucura na hora das compras, muitas pessoas se descuidam da segurança e acabam tendo dinheiro e documentos, como cartões de créditos, roubados bem no meio da multidão. Ou, ainda, podem ser seguidas com suas compras até o carro e tendo o veículo arrombado ou sendo vítima de assalto. Por isso é importante entender que pequenas e simples ações muitas vezes já são o suficiente para evitar qualquer problema durante as compras.

Primeiramente, crie um plano para o dia de compras. Isto irá evitar, ou ao menos aliviar, quaisquer estresses decorrentes de filas enormes, pessoas sem educação que podem tomar o seu lugar e causar uma confusão desnecessária na disputa pelo produto em promoção ou na hora de pagar.

Para evitar ficar carregando as sacolas de loja em loja, muita gente prefere fazer paradas ao longo do dia e ir deixando as sacolas no porta malas do carro. Com essa tática, você está dando uma oportunidade fácil para que aquele ladrão esperto que ia seguir alguém simplesmente arrombe seu carro e leve os produtos sem que ele precise sequer te abordar. Para evitar ser vítima desse golpe, o recomendado é que leve todas as compras para o carro de uma vez só e de lá vá direto para casa.

black-fridayPara não chamar a atenção dos mais “espertos”, programe-se para comprar os itens maiores e mais pesados por último para que seja possível carregar tudo. Se for impossível fazer isso, pelo menos mude a vaga de lugar depois de deixar as sacolas no porta mala e durante o processo, faça de conta que está indo embora, verifique com atenção se não está sendo seguido por alguém e só então ache outra vaga.

Aqui na California por exemplo, todo ano na semana que antecede o Thanksgiving e Black Friday, o Departamento de Polícia de Los Angeles (LAPD) emite recomendações básicas para o consumidor não ser roubado ou sofrer furtos nessa época de compras em lojas e shoppings. Este ano, o fluxo de compras e pessoas cairá bastante devido à pandemia do novo coronavírus, ainda assim vale o alerta para quem for aproveitar as ofertas de Black Friday:

* Como foi dito acima, não deixe as compras expostas dentro do carro;
* Sempre use roupas claras para melhor ser identificado em caso de um roubo ou tragédia;
* Preste atenção sempre que for entrar ou sair do carro, ou seja, olhe ao seu redor e tente notar se tem alguém te observando;
* Estacione o carro em um lugar claro e, se puder, o mais próximo das entradas dos estabelecimentos;
* Evite levar dinheiro em espécie;
* Use cartão de crédito e tenha certeza que tem os números de seus cartões anotados em casa.

Já no Brasil, a Black Friday virou novidade em 2010. Contudo, o problema no país não são as filas enormes e a aglomeração – já que a Black Friday é mais comum em lojas online – mas sim porque muitos consumidores reclamam que as promoções não são verdadeiras e as lojas “maquiam” os preços para simular descontos nos produtos. Por isso, é preciso ter muita atenção e conhecer seus direitos.

Uma dica interessante é pesquisar a idoneidade da loja. Certifique-se de que a loja existe, verificando se possui endereço físico e canal de relacionamento com o consumidor. Também é importante acessar o histórico de reclamações no Procon e no site consumidor.gov. Se o desconto for muito alto, fique atento! Observe se as mercadorias não são peças de mostruário, obsoletas ou encalhadas e se as caixas estão lacradas.

Black Friday em plena pandemia do novo coronavírus

Em um ano atípico devido à pandemia que o mundo inteiro enfrenta desde março, novos hábitos adquiridos nesse período já têm grande impacto nas vendas. Os varejistas sempre olhavam para os índices de vendas do ano anterior para criar campanhas e se prepararem para a Black Friday  Porém, devido ao distanciamento social deste ano, essa estratégia não funcionará como antes.

Uma pesquisa da Criteo apontou que as vendas online foram 30% maiores nas Américas e 17% maiores em todo o mundo durante as duas semanas de 15 a 28 de junho, comparado com a média do período de 2 a 14 de fevereiro. Além das compras online, em site, milhões de pessoas adquiriram o hábito de comprar pelos aplicativos de marcas e lojas, e essa tendência vai se manter.

180261 3Nos Estados Unidos, por exemplo, a Black Friday de 2019 teve 93,2 milhões de compradores gastando online e as vendas atingiram US $ 7,4 bilhões, um recorde histórico. Em termos de porcentagem, 40% dos consumidores fizeram compras online na Black Friday. E embora as vendas e aglomerações nas portas e dentro das lojas não estejam acontecendo esse ano, isso não impedirá os americanos de gastar no maior feriado de compras do ano. Os adultos nos Estados Unidos devem perder um total de US $ 148,5 bilhões na Black Friday e na Cyber ​​Monday, de acordo com os dados mais recentes de uma pesquisa  da Finder.

A quantia que os americanos planejam gastar em 2020 é de US $ 285 milhões em comparação com 2019, com o gasto médio por pessoa de US $ 664,77 em 2020. O número de americanos planejando aproveitar as vantagens do período de vendas pré-natal também deve aumentar de 86% em 2019 a 88% em 2020.

Móveis e itens de decoração para o lar estão no topo das listas de compras em 2020, com a expectativa de que os americanos gastem US $ 253 em média. Eletrodomésticos vêm logo atrás, a US $ 234, e os eletrônicos em seguida,  com uma média de US $ 223. Quanto ao item viagens, curiosamente, a pandemia e numerosos caso de covid-19 não pareceu diminuir o desejo dos americanos de viajar. Este ano, os adultos norte-americanos planejam  gastar em média US $ 217 em viagens.

 

Facebook Comments