Por Eddie Lejima | Tradução: Leandro P. Saueia

 

Que tipo de impressão e reação você tem quando a palavra EGO lhe é mencionada? Como o seu corpo reage? Minhas pesquisas demonstram que a grande maioria das pessoas não veem esse termo de forma muito elogiosa. Parte delas responderam com caretas de desgosto, o que confirmou a minha suspeita de que as pessoas tendem a tomar esse termo por uma das nossas características pessoais que olhamos com desprezo. Aparentemente nós fomos condicionados a pensar dessa maneira. Essa concepção errônea, ou distorção, me irritou de forma tamanha que me senti obrigado a derrubar de vez por todas esse mito. Para, assim poder recuperar o verdadeiro significado esotérico do ego.

Nos ensinamentos espirituais, derrotar o mundo do EU é um dos princípios centrais. O EGO é o inimigo a ser conquistado. Ele é o dragão que devemos matar para atingirmos a iluminação. Em resumo, o ego ganhou uma péssima reputação. Mas como foi que chegamos a esse ponto?
 

Como o ego tornou-se um vilão

Além de vir sendo condenada por anos e anos, a palavra ego virou sinônimo para designar os monstros egoístas que as pessoas sentiam em seu interior. E essas experiências moldaram o pensamento delas, que foi perpetuado posteriormente pela grande massa que nutriu essa ideia. As pessoas são chamadas de egoístas sempre que insistem em ir de encontro as necessidades de seu ego. A palavra chave aqui é insistência. Ela implica no excessivo interesse das pessoas por si próprias, e em se autopromoverem. Algo que já se tornou habitual. Essas almas arrogantes lutam constantemente para terem seus egos levantados. Assim, elas agressivamente buscam aceitação. Elas também podem ter um ímpeto obsessivo para assumir o centro das atenções.

Quando a estrutura do ego é super enfatizada, ela debilita as habilidades sociais das pessoas. O sobre carregamento do ego não deixa muito espaço para a cooperação com os outros. Tais indivíduos podem se recusar a querer ver o ponto de vista de outras pessoas, reconhecer os sentimentos  e necessidades do próximo, ou serem simplesmente ignorantes em relação a tudo isso. De alguma forma nós temos a tendência de acreditar que o ego é o grande culpado (por tais ações). Mas enfim, o que fazer com esse ego ruim? Prevenir-nos dele a todo custo? Mas todos nós não temos um ego? Se ele é inato a nós, porque devemos negá-lo sobremaneira?

Eu não posso afirmar que todos os egos são inerentemente bons. Essa seria uma ideia muito ingênua. Mas sinto que essa concepção errada se espalhou e está nos deixando equivocados. O meu ponto é que a palavra ego não aponta automaticamente para o egoísmo. Egoísmo refere-se a um ego que foi inflado além das proporções saudáveis. Ou você pode dizer que o ego esta sendo mal direcionado por conta desses pobres julgamentos. Vamos deixar bem clara essa distinção e ate onde ela nos leva. 

O que é o Ego

Pense no Sol dentro do Sistema Solar. Sem ele não haveria vida. O Sol é a força poderosa que dá vida, o centro do universo. O ego desempenha esta mesma função na construção de nossa personalidade, pois ele é o produto direto da nossa essência mais intima, o mais próximo dos nossos corações. O Ego representa o desejo de sustentação do seu eu e do seu ponto de foco. Ele também simboliza a força do Eu assim como o potencial criativo vital para todos nós. Eu devo também lembrar que a descoberta do centro dessa personalidade é a trilha para conseguir alcançar o seu autodesenvolvimento e gloria pessoal. Mais ainda, tem função de nos ajudar a nos estabelecer como indivíduos com a definição que ele concede.

Assim como planetas que giram ao redor do Sol, o ego tem subpersonalidades revolvendo ao redor dele. Você pode imaginar o ego usando diversas camadas de roupas dos mais diferentes tecidos e cores. A troca de energia entre essas subpersonas são regidas e, posteriormente, fundidas com a estrutura do ego que supervisiona tudo isso. Ele também esta sujeito a sofrer mudanças por influencias externas. 

O que constitui um Ego saudável

Um ego saudável sugere uma habilidade de integrar e orquestrar todos os ímpetos das subpersonas que formam o todo. Mas as dinâmicas do ego sozinha não são o suficiente para levar essa tarefa adiante, quanto mais nos guarem através de nossa busca – já que o ego pode ser deficiente quanto aos julgamentos morais e sonoros. O ego não é perfeito! O crucial aqui é saber que nós possuímos o tipo de consciência não julgadora a qual eu chamo de Suprema Consciência. Tal estágio do estado mental é bastante claro, observador e livre de qualquer amarra em relação ao mundo do EU. Ele se ergue acima de todas as nossas preferências e inclinações. É percepção pura e simples.

Um ego bem desenvolvido indica autocontrole assim como respeito por si próprio. Dai que ele cria os limites em relação aos outros. A verdadeira confiança é irradiada por indivíduos que conseguiram conhecer a si mesmos e se aceitaram. Esse conhecimento interior serve como outra parte integral de um ego desenvolvido.


Ego e ciladas

Do outro lado da moeda estariam a arrogância e a vaidade. Criar uma obsessão com seu próprio ego pode gerar conflitos com outras pessoas, já que ele/ela ao recusarem-se a fazer qualquer tipo de concessão, terminam por falhar na resolução de qualquer tipo de problema através da cooperação. Como já foi dito antes, isso pode restringir seriamente a sua vida social. Tenha na cabeça que ate as mentes mais radicais e solitárias também precisam de pessoas.

O xis da questão é que todos somos criaturas sociais. Para reagir contra o seu egoísmo, tente juntar a sua intensa consciência das necessidades do ego com um espirito de cooperação. Maneiras egoístas semeiam dores e lutas incessantes, e assim a pessoa jamais se sente contentada. Dê um tempo de sua implacável busca para satisfazer todos os desejos do seu ego. Quando mal guiado, o ego pode tornar-se defensivo dos elos emocionais dele, e isso leva a construção de um muro separando você e os outros. Tenha ciência dessas ciladas. Pausas regulares para manter o nosso ego sob controle podem mostrar-se extremamente benéficas.


Conclusão

O ego é a sua espinha dorsal. Partindo que cada um de nós nascemos com um ego único e composto, negá-lo é uma atitude absurdamente derrotista para com si próprio. Deixar o ego livre nos altos ensinamentos significa se abrir para as infinitas possibilidades dos grandes mistérios desconhecidos da Vida. Também significa atingir e se fundir com o Divino. Logo, praticar esse caminho espiritual ao mesmo tempo em que se honra o seu ego particular é uma maneira balanceada de compreender a vida.

É importante notar que longos períodos de negligencia a sua força primaria de vida podem levar a sentimentos de “vazio”. Então, esteja certo de ouvir os desejos de seu coração e de entender os sinais para a perfeita sincronização. Quando você esta funcionando com seu EU autêntico, você se sente bem. Porque ele não só coloca para funcionar a força vital, mas também o coloca em volta a linha.

Finalmente, tente localizar e sentir o seu ego na parte mais profunda do seu ser e o use como uma força centralizadora. Um pequeno empurrão nessa fonte o deixa mais poderoso. Ser capaz de fazer isso é uma habilidade que ninguém deveria se dar ao luxo de abrir mão. Não se esqueça de exercitar o seu direito de ser você mesmo sem cair naquelas zonar errôneas. Vá em frente e faça com que o poder de seu ego brilhe nos seus termos. Que seja feita uma celebração!

* Eddie Lijima é um antigo colaborador da Soul Brasil. Ele mora em Los Angeles e é orientador pessoal (life couching) e consultor espiritual. 

Facebook Comments