De acordo com um memorando emitido na terça-feira (11) pelo secretário de Segurança Interna, (Homeland), Alejandro Mayorkas, agentes federais de imigração nos EUA vão acabar com as prisões em massa no local de trabalho de funcionários imigrantes suspeitos de viver no país sem permissão legal.

Mas, de acordo com o secretário, o foco mudará para a busca de empregadores inescrupulosos que exploram a vulnerabilidade dos trabalhadores sem documentos legais. “O departamento de imigração dos EUA, junto com o departamento de segurança interna, enfatizará o combate ao abuso do trabalhador, incluindo o pagamento de salários abaixo do mínimo, condições de trabalho inseguras, e o tráfico de pessoas”, disse o funcionário público.

O memorando de três páginas orienta os chefes de “Imigração e Alfândega”, “Alfândega e Proteção de Fronteiras” e “Serviços de Cidadania e Imigração” a elaborar um plano dentro de dois meses para aumentar as penalidades contra o empregador, assim como para incentivar os trabalhadores a relatar práticas inescrupulosas sem medo e coordenar a denunúcia com outras agências, como o Departamento de Trabalho.

Invasões em massa no local de trabalho eram comuns durante o governo do ex-presidente Donald Trump, incluindo uma operação em 2019 visando os frangos de corte no estado do Mississippi, a maior operação desse tipo em mais de uma década.

Trump e outros presidentes defenderam os reides como fortes dissuasores contra a imigração ilegal, enquanto grupos de trabalhadores os consideraram injustos e discriminatórios. Por exemplo, a maioria dos 680 trabalhadores presos em fábricas de frangos administradas por empresas, incluindo a Koch Foods, de Illinois, eram latinos.

O fim das ações que culminam em prisões de imigrantes ilegais em ambiente de trabalho se assemelha mais à abordagem do ex-presidente Barack Obama, que evitou amplamente essas operações, limitando os esforços de imigração no local de trabalho e aumentando auditorias e verificações de empresas.

Junto com o fim dessa nova política de prisões em massa no local de trabalho, Mayorkas disse que as autoridades de imigração também deveriam começar imediatamente a usar “discrição do Ministério Público” no que se refere a encorajar os trabalhadores a falar sobre a exploração no local de trabalho e evitar que os empregadores usem ameaças de retaliação de deportação.

Grupos de direitos dos trabalhadores aplaudiram a medida e afirmaram que os trabalhadores imigrantes, especialmente aqueles sem permissão legal para viver nos EUA, são especialmente vulneráveis e, na maioria dos casos, com acesso limitado a advogados.

Facebook Comments