Image Economia Americana e Inflacao nas Alturas Com os números da economia americana avançando e o mercado (de ações em particular), apesar de algumas reviravoltas, se aguentar bem, é difícil se convencer que as taxas de juros mais elevadas estão a ter um impacto substancialmente negativo na economia.

“Quando as taxas começam a subir, é preciso haver um ajuste. O cálculo mudou. Portanto, a questão é: teremos problemas se as taxas permanecerem mais altas por mais tempo?”, disse na última semana de abril em entrevista à NBC News americana, Quincy Krosby, estrategista-chefe global da LPL Financial.

A postura de maior duração dos juros altos não era o que os investidores esperavam no início de 2024, mas é com isso que têm de lidar agora, uma vez que a inflação se revelou mais rígida do que o esperado, oscilando em torno de 3% em comparação com a meta de 2% esperada pelo Fed. 

Na mesma semana de abril de 2024, declarações do presidente do Fed, Jerome Powell, e de outros legisladores consolidaram a noção de que os cortes nas taxas não ocorrerão nos próximos meses. Na verdade, tem-se falado até sobre a possibilidade de um ou dois aumentos adicionais no futuro se a inflação não diminuir ainda mais.

Isto deixa grandes questões sobre quando exatamente ocorrerá a flexibilização da política monetária e em particular, se permanecer inalterada pode afetar tanto os mercados financeiros como a economia em geral. O estrategista-chefe ainda disse à NBC News que algumas dessas respostas virão em breve, à medida que a atual temporada de ganhos de empresas forem sendo divulgados. 

  • Taxas mais altas podem ser um bom sinalImage Juros Altos nos EUA Nao Pode Ser Tao Ruim

A história conta histórias diferentes sobre as consequências de um Fed agressivo, tanto para os mercados quanto para a economia.Taxas mais altas geralmente são boas, desde que estejam associadas ao crescimento. O último período em que isso não foi verdade foi quando o então presidente da Fed, Paul Volcker, estrangulou a inflação com subidas agressivas que, em última instância e propositadamente, levaram a economia americana à recessão. Há poucos precedentes para o Fed reduzir as taxas em períodos de crescimento robusto como o atual. 

  • Nas últimas décadas, os juros altos não foram associados a recessões

Pelo contrário, os presidentes do Fed têm sido frequentemente criticados por manterem as taxas demasiado baixas durante demasiado tempo, levando à bolha das Dot-Com com e às implosões do mercado subprime que desencadearam duas das três recessões deste século nos EUA. Por outro lado, a taxa de referência dos fundos do Fed era de apenas 1% quando ocorreu a recessão induzida pela Covid.

Na verdade, há argumentos de que se dá demasiado valor à política do Fed e ao seu impacto mais amplo em uma economia de 27,4 biliões de dólares dos EUA. O Fed, no período de 11 anos entre a última crise financeira pré-pandemia e a pandemia de Covid, tentou manter a inflação em um máximo de 2% através de uma política monetária que, podemos dizer,  não teve o sucesso esperado. Ao longo de 2023, a retração da taxa de inflação coincidiu com uma política monetária mais restritiva, mas muitos economistas americanos duvidam que a Fed tenha tido muito a ver com isso.

Também existem economistas que defendem um argumento semelhante, que a principal questão influenciada pela política monetária – a procura – permaneceu robusta, enquanto a questão da oferta, que funciona em grande parte fora do alcance das taxas de juro, tem sido o principal motor da desaceleração da inflação. O que entendemos é que, as taxas de juros importam mais nos mercados financeiros, que por sua vez podem afetar as condições econômicas. Juros muito altos ou muito baixos distorcem os mercados financeiros. 

E isso prejudica a capacidade produtiva da economia a longo prazo e pode levar a bolhas, o que desestabiliza a economia. Então, nós e os economistas americanos, não acreditamos que o Federal Reserve deve baixar os juros de forma gradual e progressiva em um futuro imediato. Mas, claro,  em algum momento isso terá de acontecer, porque estas taxas de juros estão simplesmente esmagando os calcanhares de muitos residentes da Terra do Tio Sam.

Em sintonia com essa visão de controle financeiro, a Soul Brasil se dedica constantemente em manter seus seguidores informados sobre a cotação do dólar e análises do cenário mundial. Na nossa página “De Olho no Dólar” , confira insights importantes para embasar suas decisões financeiras de forma mais informada.

Facebook Comments