O grupo de vigilância Tech Inquiry relatou os novos detalhes sobre o contrato de três anos com o Departamento de Segurança Interna dos EUA.

O programa de análise de dados da exchange de criptomoedas americana Coinbase (COIN), Coinbase Tracer, fornecerá à agência de Imigração e Alfândega dos EUA (ICE) dados sobre usuários de criptomoedas, incluindo “dados históricos de rastreamento geográfico” e histórico de transações, de acordo com um contrato e informações obtidas pelo grupo de vigilância Tech Inquire.

O contrato adiciona detalhes ao que se sabia anteriormente sobre o acordo de três anos entre a exchange de criptomoedas e o ICE, o braço de aplicação da lei de imigração do Departamento de Segurança Interna dos EUA (DHS). Um representante da Coinbase negou que as informações fornecidas pelo software de análise sejam de dados do cliente da exchange.

“Todos os recursos que o Coinbase Tracer usa são dados obtidos, e totalmente, de dados on-line disponíveis publicamente e não incluem nenhuma informação de identificação pessoal ou qualquer dado de propriedade exclusiva da Coinbase”, disse um porta-voz da empresa americana.

O acordo, que foi assinado em setembro de 2021 por US$455 mil mas que pode chegar a US$ 1,37 milhão, é um dos vários contratos entre a Coinbase e agências governamentais dos EUA. Em agosto de 2021, a Coinbase assinou um contrato menor com a ICE no valor de US$29 mil para fornecer à agência licenças do software de análise. Em abril de 2021 e maio de 2020, a Coinbase também vendeu outros tipos de licenças – abaixo de US$ 50 mil, da Coinbase Tracer para o Serviço Secreto dos americanos.

O Coinbase Tracer, anteriormente conhecido como Coinbase Analytics, já enfrentou algumas controvérsias no passado. A filial da exchange Coinbase e responsável pelo desenvolvimento de softwares surgiu da aquisição pela Coinbase em 2019 da empresa de inteligência blockchain Neutrino, cuja equipe executiva trabalhou anteriormente com uma startup que vendia spyware para vários governos, incluindo a Arábia Saudita, conhecida por abusos de direitos humanos.

Facebook Comments