À medida que as empresas se restabeleçam como atividades presenciais, aprimorem também a saúde dos funcionários e o tempo, façam com que seus locais de trabalho se tornem mais seguros.

Os decretos de cumprimento são controversos e enviados a desafios. A testagem é cara e gera um aborto entre os empresários que querem aplicar em seu negócio. Como conseqüência, algumas instituições estão incluídas em uma sobretaxa à parcela de seus funcionários não vacinados de seus prêmios de médico.

Na maioria dos casos, os donos de negócios que tomam essa decisão possuem três justificativas: a primeira é incentivar a vacinação sem impor de certa forma. A segunda é recuperar parte do dinheiro perdido com a pandemia. E a terceira, e mais polêmica, é a ideia de que os não vacinados paguem uma multa por colocarem seus colegas de serviço em risco.

Essas sobretaxas são impostas pelas empresas de seguros. Nos Estados Unidos, os empregadores geralmente pagam parte (90%) dos prêmios dos seus funcionários. Dessa forma, eles afirmam que se eles não se vacinarem, irão pagar menos – no máximo 80% – e o resto vai ficar por conta de quem recusou se imunizar.

Grande parte das empresas está sujeita a uma regra federal que proíbe sobretaxas superiores a 30% do prêmio. Normalmente, vemos sobretaxas de vacinação entre US$ 50 e US$ 200 por mês. Mas o que define estar vacinado? Atualmente, é pelo menos uma dose da vacina Johnson & Johnson ou duas doses da Pfizer ou Moderna. Se os reforços serão incluídos é um debate em andamento.

E se o meu seguro de saúde não for por meio de um empregador? Devido às limitações estritas impostas às seguradoras, você provavelmente não verá uma sobretaxa caso adquira um seguro privado. Nem o Medicare ou o Medicaid provavelmente serão afetados – por enquanto, isso parece estar limitado aos cuidados de saúde com foco no emprego. O debate e as controvérsias continuam.

 

Facebook Comments